Avançar para o conteúdo principal

Férias da Páscoa - parte 1

Tudo começou na 2ª feira passada, 2 de Abril de 2012, estávamos empolgados e ansiosos, a minha filha Rute e o meu neto Hugo vinham passar uns dias connosco.
 Pelas 17h saímos de casa para apanhar o transporte para Viana. Tínhamos de comprar umas coisitas para o jantar e, o mais importante, íamos buscá-los ao comboio. Eis que o telemóvel toca, más notícias, a Rute tinha-se esquecido do telemóvel no comboio onde vinha e, que seguiu para Braga. Ela precisava do desgraçado do telemóvel, por isso ficou à espera no Porto. Conclusão, ia chegar 2 horas mais tarde. Tínhamos de fazer tempo. Resolvemos andar a brincar aos fotógrafos por Viana.

As ruas de Viana





A espera...



A estação...






Continuamos à espera...   



Finalmente... a chegada...Iéé...






Ele...e...ela...



Todos juntos regressámos a casa. Jantámos uma sopita de brócolos, cachorros quentes e coca cola. É claro que a seguir fomos dormir. Estávamos cansados e, no dia seguinte queríamos ir passear.


E pronto, o 1º dia chegou ao fim.

(as fotos a preto e branco foram tiradas pelo Nuno) 

Comentários

  1. Gostei muito da reportagem fotográfica. :)
    E achei emocionante ver as fotos da chegada, também já estava na expectativa se se tinham esquecido de mais alguma coisa. :)
    O teu neto está enorme!

    Beijinho

    ResponderEliminar
  2. Eh! Eh! Eh!
    Nós também fizemos esse filme :»)

    ResponderEliminar
  3. Já havia muito tempo que por aqui não passava e fiquei maravilhado com o que vi e li. Muitos parabéns e continua a ser feliz :)

    José Lemos

    ResponderEliminar

Enviar um comentário

Mensagens populares deste blogue

Cabeçudo

O Faroleiro  No 1º trimeste deste ano resolvi participar no curso de cabeçudos do grupo etnográfico da Areosa. Já tinha alguma curiosidade em saber qual a técnica utilizada para se fazer o tradicional cabeçudo. Quando cheguei a Viana, o ano passado, pensei logo, tenho de ir ver os cabeçudos e gingantones. E assim foi. A nossa chegada foi em Julho e as festas da Sra. D'Agonia são em Agosto. Lá fui eu, feliz e contente. Adorei. Vou, então, apresentar o meu 1º cabeçudo que já andou por festas e exposições este ano.
De frente. Ele está um pouco cansado. Foi muito trabalho...


Um ligeiro perfil.




O curso

O Faroleiro



Outros cabeçudos. Trabalhos dos meus colegas.




Rainha Santa Isabel

Foi nos feito o desafio de criarmos a nossa versão da Rainha Santa Isabel. Aceitámos logo. Também nós, nos rendemos aos encantos da jovem rainha, esposa de D. Dinis. Muito culta, bondosa, corajosa.
 Muito se escreve sobre ela. A lenda mais conhecida, é o Milagre das Rosas, e foi nele que nos inspirámos. Pois apesar de muitos feitos, esta Rainha, é imediatamente identificada com ele.
Deixamos alguns links, onde podem satisfazer a vossa curiosidade sobre esta mulher, que foi Rainha de Portugal.

http://ensina.rtp.pt/artigo/o-tesouro-da-rainha-santa-isabel/
http://www.rainhasantaisabel.org/index.php?option=com_content&view=article&id=124&Itemid=108
http://www.historiadeportugal.info/rainha-santa-isabel/

Não temos por hábito, numerar as nossas peças, mesmo as coleccionáveis.
Fizemos duas versões, não sabemos se faremos mais, mas, decidimos numerá-las.
Basta de conversa, mostremos o trabalho. Comecemos pela nº 1.
Começou assim...






E, ficou assim...


Costas (antes, em bruto)...


Cos…

Viana do Castelo e sua Lenda.

Ainda vamos estar por Viana mais uns dias. A partida está a ser complicada. Continuando com as despedidas, vou partilhar convosco algumas fotos da cidade e a sua lenda.





Encontrei várias versões da Lenda de Viana do Castelo. Vou partilhar duas.
"
A lenda de Viana
Há muito, muito tempo, na margem direita do rio Lima, erguia-se uma pequena povoação que tinha o nome de Átrio ou Adro. As pessoas que aqui habitavam construíam barcos, fabricavam redes e ensinavam as filhas e as mulheres a consertá-las…             Para além de pescarem no rio também se aventuravam no alto mar, apesar de muitas vezes serem surpreendidos pelo mau tempo, tornando-se difícil vencer a impetuosidade das ondas. De lá traziam carapaus, congros, pescadas, sardinhas, fanecas e muitos outros peixes, com que se alimentavam e vendiam no mercado.             Quando o mar se alterava e não permitia a pesca, tinham o rio. E Aqui pescavam enguias, solhas, trutas, tainhas, lampreias, sáveis e salmões, conforme as épocas.     …