Avançar para o conteúdo principal

Presépios 2013

Quando eu era pequenita ajudava o meu pai a fazer o presépio lá de casa. Ele fazia uns presépios enormes, pelo menos a mim pareciam enormes ou eu é que era pequena :0) Tinha lagos, pontes, o estábulo com o menino, a Maria e o José, o burro, a vaca, imensos personagens, pastores, agricultores, ferreiros, feirantes... e, também os Reis Magos. Até tinha um céu com estrelas e lua :0) Tenho pena de não ter fotos para documentar. Penso que não temos, mas ainda vou procurar em casa da minha mãe, pode ser que haja alguma perdida. Não acredito, mas... Pode haver alguma que a minha mãe tenha enviado para a minha avó, naquela época vivíamos em Moçambique, por isso é possível. Todos os anos, íamos à praia apanhar areia e pedras, procurávamos musgo no mato, tirar os bonecos das caixas era mágico, montar toda aquela vila era, para mim, grandioso. Sem dúvida um momento único partilhado com o meu pai, ele era sem dúvida um artista :0)
Mas apesar destas boas memórias, a vida foi passando, muitas coisas aconteceram e, eu não mantive este ritual. Acho até que, inconscientemente, me desliguei. Enquanto artista, fiz alguns presépios porque me pediam mas, na realidade, nunca lhes dei muita importância. às vezes até tinha alguma dificuldade, parecia que perdia a criatividade cada vez que me falavam em presépios.
Este ano cruzaram-se algumas pessoas na minha vida, Sandra e Salomé, fantásticas, que me desbloquearam. A criatividade, em relação ao tema começou a surgir, hoje já tenho alguns feitos. E até, já há projectos para coisas maiores. Comecei por fazer uns de tamanho médio/pequeno e, com a preocupação de passar alguma mensagem.
 Para mim o presépio é a representação da família. Família que, nos dias de hoje, passa por sérias dificuldades. Vivemos numa sociedade que, por vezes, nos dificulta a vida em família. No entanto, quero acreditar, que cada família, com todos os problemas que possa ter, tenta ser a melhor.
Nos meus presépios, tento apelar à harmonia famíliar. Há uma forte manifestação de afecto. Existe também algum destaque para a figura masculina que participa e está presente de corpo e alma na vida familiar.
Chega! Fim!
 Este ano tenho dez propostas novas e, uma que foi a origem deste desbloqueio. "The special one", acabou por ficar assim baptizado pela Salomé. Vamos ver os 8 que já estão prontos.
Espero que gostem!

Presépio em pasta de papel, tecido e lã. É a minha versão do estábulo que abrigou a sagrada família. Temos um vermelho e um azul.






 Presépio em pasta de papel, tecido e lã. Neste o José ajeita as palhas onde a Maria vai deitar o menino.


Presépio em pasta de papel, tecido e lã. Aqui represento uma cena familiar. O José brinca com o menino enquanto a Maria faz as filhoses.


Presépio em pasta de papel e lã. Momentos de carinho.



 Presépio em pasta de papel e lã. Enquanto Maria descansa, José aproveita o momento e mima o menino.


Presépio em pasta de papel, papel e lã.  Duas versões de momentos de lazer.






Alguns destes presépios já não estão disponíveis. Veja os que ainda estão na "Montra".
Grata pelo vosso interesse.
:0) Inté!


Comentários

Mensagens populares deste blogue

Cabeçudo

O Faroleiro  No 1º trimeste deste ano resolvi participar no curso de cabeçudos do grupo etnográfico da Areosa. Já tinha alguma curiosidade em saber qual a técnica utilizada para se fazer o tradicional cabeçudo. Quando cheguei a Viana, o ano passado, pensei logo, tenho de ir ver os cabeçudos e gingantones. E assim foi. A nossa chegada foi em Julho e as festas da Sra. D'Agonia são em Agosto. Lá fui eu, feliz e contente. Adorei. Vou, então, apresentar o meu 1º cabeçudo que já andou por festas e exposições este ano.
De frente. Ele está um pouco cansado. Foi muito trabalho...


Um ligeiro perfil.




O curso

O Faroleiro



Outros cabeçudos. Trabalhos dos meus colegas.




Viana do Castelo e sua Lenda.

Ainda vamos estar por Viana mais uns dias. A partida está a ser complicada. Continuando com as despedidas, vou partilhar convosco algumas fotos da cidade e a sua lenda.





Encontrei várias versões da Lenda de Viana do Castelo. Vou partilhar duas.
"
A lenda de Viana
Há muito, muito tempo, na margem direita do rio Lima, erguia-se uma pequena povoação que tinha o nome de Átrio ou Adro. As pessoas que aqui habitavam construíam barcos, fabricavam redes e ensinavam as filhas e as mulheres a consertá-las…             Para além de pescarem no rio também se aventuravam no alto mar, apesar de muitas vezes serem surpreendidos pelo mau tempo, tornando-se difícil vencer a impetuosidade das ondas. De lá traziam carapaus, congros, pescadas, sardinhas, fanecas e muitos outros peixes, com que se alimentavam e vendiam no mercado.             Quando o mar se alterava e não permitia a pesca, tinham o rio. E Aqui pescavam enguias, solhas, trutas, tainhas, lampreias, sáveis e salmões, conforme as épocas.     …

O cabeçudo Pinguço

Se já era fã de cabeçudos, agora ainda sou mais. A experiência de aprender a construir foi fantástica, adoro todo o processo, construção da estrutura, criação de personagens... Não vou parar de fazer cabeçudos  :«) é muito bom. Mas falemos do Pinguço. O Pinguço é daqueles portugueses que anda um pouco baralhado e está inactivo perante as mudanças sociais, económicas e políticas deste país. Ele ainda não compreendeu se está embriagado ou se apanhou sol a mais. Uma coisa é certa está estupefacto e ranhoso, muito ranhoso, também tem uns suores frios. Espero que reaja ( positivamente), que tome uma atitude para melhorar o que está menos bem. Eu (Fernanda) tenho esperança, não é fácil, mas é possível.




De costas, à janela, ainda por pintar.




Novamente de costas, mas já pintado.






De frente, de perfil, é feio que se farta. Torna-se engraçado de tão feio que é.




Para finalizar uma foto de amigos  :«)