Avançar para o conteúdo principal

Natal



"Natal é em Dezembro
Mas em Maio pode ser
Natal é em Setembro
É quando um homem quiser
Natal é quando nasce uma vida a amanhecer"
Natal é sempre o fruto que há no ventre da Mulher"

Um pequeno excerto deste belo poema que José Carlos Ary dos Santos nos deixou. Poema que me faz pensar no modo como cada um de nós vive esta data que nos foi imposta por um calendário e, que, uns mais, outros menos, tentam que seja um dia diferente, especial. Só esquecem que o diferente e o especial faz-se com pequenas coisas, com simplicidade e, todos os dias, horas, minutos, segundos, SEMPRE.

Eu pessoalmente, adorava reunir todas as pessoas que gosto, família, amigos numa mesa enorme, cheia de alimentos saborosos, num alegre convívio. No dia 25 de Dezembro ou em qualquer outra data e, várias vezes no ano. Ainda tenho a esperança de um dia o fazer, sem planos, um acontecimento.
Por enquanto vou sendo feliz com outros bons acontecimentos. Por exemplo, o dia 16 de Dezembro proporcionou um acontecimento feliz. Também foi Natal. É o dia de nascimento da minha filha.
Faz-me lembrar um outro poema de Mário Castrim,

"Nasce a menina
dlim dlim
não é Jesus
dlim dlim
nem Jesuina
dlim dlim
ela é a filha
de uma vizinha
não teve burro
nem vaquinha
porque em Lisboa
era difícil
ser assim
de qualquer modo
dlim dlim"

Foi assim o 16 de Dezembro de 2013



 Ontem e hoje o convívio é com o meu companheiro e um colega dele, pois estão de serviço mas, para que ninguém se sintisse só (também é bom convivermos connosco), juntá-mo-nos, comemos, bebemos, dissemos disparates, convivemos. Todos os outros que não estiveram fisicamente, estiveram no meu coração.
 Para mim, estes dias, sejam eles ao acaso ou porque o calendário impõe (fica ao critério de cada um e de todos), devem ser passados connosco ou com quem estivermos, família, amigos, colegas, desconhecidos e, que seja por inteiro, com muita alegria e saúde.
Aproveitem bem cada momento da vida. Como diria Raul Solnado (estou sempre a usar esta frase, adoro-a) "façam o favor de ser FELIZES".




Apesar da "crise", apesar do tempo, eu, Fernanda, e o PapaPapel Atelier desejamos a todos um bom Natal, que seja como desejarem.
Aquele ABRAÇO.

:0)

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Cabeçudo

O Faroleiro  No 1º trimeste deste ano resolvi participar no curso de cabeçudos do grupo etnográfico da Areosa. Já tinha alguma curiosidade em saber qual a técnica utilizada para se fazer o tradicional cabeçudo. Quando cheguei a Viana, o ano passado, pensei logo, tenho de ir ver os cabeçudos e gingantones. E assim foi. A nossa chegada foi em Julho e as festas da Sra. D'Agonia são em Agosto. Lá fui eu, feliz e contente. Adorei. Vou, então, apresentar o meu 1º cabeçudo que já andou por festas e exposições este ano.
De frente. Ele está um pouco cansado. Foi muito trabalho...


Um ligeiro perfil.




O curso

O Faroleiro



Outros cabeçudos. Trabalhos dos meus colegas.




Viana do Castelo e sua Lenda.

Ainda vamos estar por Viana mais uns dias. A partida está a ser complicada. Continuando com as despedidas, vou partilhar convosco algumas fotos da cidade e a sua lenda.





Encontrei várias versões da Lenda de Viana do Castelo. Vou partilhar duas.
"
A lenda de Viana
Há muito, muito tempo, na margem direita do rio Lima, erguia-se uma pequena povoação que tinha o nome de Átrio ou Adro. As pessoas que aqui habitavam construíam barcos, fabricavam redes e ensinavam as filhas e as mulheres a consertá-las…             Para além de pescarem no rio também se aventuravam no alto mar, apesar de muitas vezes serem surpreendidos pelo mau tempo, tornando-se difícil vencer a impetuosidade das ondas. De lá traziam carapaus, congros, pescadas, sardinhas, fanecas e muitos outros peixes, com que se alimentavam e vendiam no mercado.             Quando o mar se alterava e não permitia a pesca, tinham o rio. E Aqui pescavam enguias, solhas, trutas, tainhas, lampreias, sáveis e salmões, conforme as épocas.     …

O cabeçudo Pinguço

Se já era fã de cabeçudos, agora ainda sou mais. A experiência de aprender a construir foi fantástica, adoro todo o processo, construção da estrutura, criação de personagens... Não vou parar de fazer cabeçudos  :«) é muito bom. Mas falemos do Pinguço. O Pinguço é daqueles portugueses que anda um pouco baralhado e está inactivo perante as mudanças sociais, económicas e políticas deste país. Ele ainda não compreendeu se está embriagado ou se apanhou sol a mais. Uma coisa é certa está estupefacto e ranhoso, muito ranhoso, também tem uns suores frios. Espero que reaja ( positivamente), que tome uma atitude para melhorar o que está menos bem. Eu (Fernanda) tenho esperança, não é fácil, mas é possível.




De costas, à janela, ainda por pintar.




Novamente de costas, mas já pintado.






De frente, de perfil, é feio que se farta. Torna-se engraçado de tão feio que é.




Para finalizar uma foto de amigos  :«)