Avançar para o conteúdo principal

De Viana a Olhão

Como prometi... As aventuras de uma viagem, de Viana do Castelo até Olhão.
Como já é do conhecimento geral, não tenho muito jeito para palavras, por isso recorro às imagens. Não tenho o registo de toda a aventura, mas os momentos mais importantes estão registados e vou partilhar convosco.
Partida de Viana.
Tudo a postos para seguir no camião.


Descendo avenida do Farol em direcção a Carreço para apanhar o primeiro transporte desta longa viagem, o autocarro. Pelo caminho, um velho amigo veio despedir-se. Também comemos umas sandochas  nos nossos amigos do mini mercado e café Central e, a Dona Helena fez-me uma trança. 



Despedidas feitas, lá vamos de autocarro até Viana do Castelo para de comboio ir mos até ao Porto. Fomos numa das vergonhas nacionais, o Celta. Misia, a nossa gatinha, detestou andar nele. : 0(




Chegámos ao Porto, metemos-nos num urbano até Aveiro, onde pernoitámos. Aproveitámos para nos despedir de mais um grupo de amigos. Jantámos todos juntos, era o aniversário de uma amiga e, festejámos. Dormimos pouco, pois tínhamos de apanhar o alfa, que passa por Aveiro às 06h e qualquer coisa. Desta vez a Misia adorou. :0) 





Apesar de termos dormido na viagem, depois de termos iniciado a manhã anterior com o carregamento do Camião, seguido de uma viagem de autocarro e comboio até Aveiro e uma noitada, estávamos já muito cansados quando chegámos a Olhão depois de um transbordo em Faro.
Agora esperava-nos mais uma canseira. Almoçámos com um colega do Nuno em Olhão e de seguida fomos passar as nossas coisas, incluindo o Atelier, do camião para o barco que nos levaria à ilha. Mas antes tivemos de descarregar o mesmo barco, que vinha carregado com as coisas do colega que o Nuno veio render.





A Misia tudo observava com muita atenção. Nós já de rastos, lá fizemos a travessia de Olhão para a ilha de Culatra/Farol.






Chegados à ilha, a saga continua. Descarregar o barco e carregar o tractor que levaria a nossa bagagem e o atelier até ao destino final.


Já na nossa residência dos próximos 4 anos, bem como no novo atelier, seguiu-se a canseira final. Vejam o estado em que ficou o atelier!
Depois ofereceram-nos um jantar de boas vindas e fomos dormir, já quase mortos de cansaço.
Agora andamos a meter "ordem na barraca". 
Finalizo com as vistas do novo atelier. 



Agora é pôr "ordem na barraca".
Voltarei com as várias fases de arrumação do atelier.
Fiquem atentos.
Inté!
:0)

Fotos de Fernanda Viana e Nuno Cardoso.

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Cabeçudo

O Faroleiro  No 1º trimeste deste ano resolvi participar no curso de cabeçudos do grupo etnográfico da Areosa. Já tinha alguma curiosidade em saber qual a técnica utilizada para se fazer o tradicional cabeçudo. Quando cheguei a Viana, o ano passado, pensei logo, tenho de ir ver os cabeçudos e gingantones. E assim foi. A nossa chegada foi em Julho e as festas da Sra. D'Agonia são em Agosto. Lá fui eu, feliz e contente. Adorei. Vou, então, apresentar o meu 1º cabeçudo que já andou por festas e exposições este ano.
De frente. Ele está um pouco cansado. Foi muito trabalho...


Um ligeiro perfil.




O curso

O Faroleiro



Outros cabeçudos. Trabalhos dos meus colegas.




Viana do Castelo e sua Lenda.

Ainda vamos estar por Viana mais uns dias. A partida está a ser complicada. Continuando com as despedidas, vou partilhar convosco algumas fotos da cidade e a sua lenda.





Encontrei várias versões da Lenda de Viana do Castelo. Vou partilhar duas.
"
A lenda de Viana
Há muito, muito tempo, na margem direita do rio Lima, erguia-se uma pequena povoação que tinha o nome de Átrio ou Adro. As pessoas que aqui habitavam construíam barcos, fabricavam redes e ensinavam as filhas e as mulheres a consertá-las…             Para além de pescarem no rio também se aventuravam no alto mar, apesar de muitas vezes serem surpreendidos pelo mau tempo, tornando-se difícil vencer a impetuosidade das ondas. De lá traziam carapaus, congros, pescadas, sardinhas, fanecas e muitos outros peixes, com que se alimentavam e vendiam no mercado.             Quando o mar se alterava e não permitia a pesca, tinham o rio. E Aqui pescavam enguias, solhas, trutas, tainhas, lampreias, sáveis e salmões, conforme as épocas.     …

O cabeçudo Pinguço

Se já era fã de cabeçudos, agora ainda sou mais. A experiência de aprender a construir foi fantástica, adoro todo o processo, construção da estrutura, criação de personagens... Não vou parar de fazer cabeçudos  :«) é muito bom. Mas falemos do Pinguço. O Pinguço é daqueles portugueses que anda um pouco baralhado e está inactivo perante as mudanças sociais, económicas e políticas deste país. Ele ainda não compreendeu se está embriagado ou se apanhou sol a mais. Uma coisa é certa está estupefacto e ranhoso, muito ranhoso, também tem uns suores frios. Espero que reaja ( positivamente), que tome uma atitude para melhorar o que está menos bem. Eu (Fernanda) tenho esperança, não é fácil, mas é possível.




De costas, à janela, ainda por pintar.




Novamente de costas, mas já pintado.






De frente, de perfil, é feio que se farta. Torna-se engraçado de tão feio que é.




Para finalizar uma foto de amigos  :«)