Avançar para o conteúdo principal

Fim de colecção (continuação).

Hoje é a vez dos mochos. Animal simpático, recorda-me o fim da minha infância, inicio da adolescência. Uma fase que não sabemos bem o que somos, o que queremos, qual o caminho... (na verdade, acho que, ainda hoje, para mim é, um pouco... muito assim). Divagações à parte, há coisas de que sempre gostei, ler, ouvir histórias, ouvir música, ver filmes... Mas, é das histórias que quero falar. Todos estes rodeios, só por causa do mocho, eh, eh, eh, eh, eh, eh!!!! Quando cheguei a Portugal, na tal época que, vos falei no inicio deste devaneio, eh, eh, eh, havia um programa na RTP (que tenho procurado, mas ainda não consegui encontrar. Quando encontrar, se encontrar partilho aqui convosco, prometido.), não tenho a certeza, mas acho que dava antes do telejornal, o da noite, era um mocho que contava uma história e, no final dizia "... e agora, meu meninos, todos para a caminha... Boa noite". Enfim, eu gostava de ver aquilo e, em homenagem a esse mocho, resolvi, no ano de 2009, fazer um. Mocho esse, que também é mealheiro, feito em pasta de papel, com cerca de 30 cm de altura e, a quem dei o nome de "Stôr".

O primeiro Stôr...


Em 2010, outros se seguiram. Ficam aqui dois representantes...


Em 2011, nasceu o Tuga. Também mealheiro e, com as mesmas características mas, inspirado nos nossos escritores. Desde Eça até Saramago, passando por Pessoa, Espanca, Bocage...
Alguns representantes desse trabalho...

O primeiro Tuga...


Outros se seguiram...



No final de 2013, nasce o Psicodélico. Mocho muito colorido e divertido, igualmente mealheiro e com as mesmas características dos anteriores. Quero aproveitar para lembrar que, todos os mealheiros PapaPapel têm abertura fácil. O que facilita a recuperação do dinheiro sem danificar a peça.
De volta ao Psicodélico, ficam alguns exemplares...


 De todos estes mochos lindos que vos apresentei, apenas dois se encontram disponíveis para quem os quiser adquirir. Seja para guardar dinheirito para acabar os estudos ou, para ajudar o seu filho, sobrinho, neto... a pagar a faculdade; seja, apenas, para decorar a biblioteca ou, qualquer outro canto da casa, sala de estudo, escritório, atelier... Ou, ainda, só porque sim...
Hei-los...







Terminada apresentação dos meus mochos e dos que ainda estão para "adopção", só me resta acrescentar que, para quem estiver interessado e, não sabe como adquirir esta ou outra peça, consultar a nossa montra.
Grata pela vossa atenção.
Abraços e Sorrisos.
FViana.


Comentários

Mensagens populares deste blogue

Cabeçudo

O Faroleiro  No 1º trimeste deste ano resolvi participar no curso de cabeçudos do grupo etnográfico da Areosa. Já tinha alguma curiosidade em saber qual a técnica utilizada para se fazer o tradicional cabeçudo. Quando cheguei a Viana, o ano passado, pensei logo, tenho de ir ver os cabeçudos e gingantones. E assim foi. A nossa chegada foi em Julho e as festas da Sra. D'Agonia são em Agosto. Lá fui eu, feliz e contente. Adorei. Vou, então, apresentar o meu 1º cabeçudo que já andou por festas e exposições este ano.
De frente. Ele está um pouco cansado. Foi muito trabalho...


Um ligeiro perfil.




O curso

O Faroleiro



Outros cabeçudos. Trabalhos dos meus colegas.




Viana do Castelo e sua Lenda.

Ainda vamos estar por Viana mais uns dias. A partida está a ser complicada. Continuando com as despedidas, vou partilhar convosco algumas fotos da cidade e a sua lenda.





Encontrei várias versões da Lenda de Viana do Castelo. Vou partilhar duas.
"
A lenda de Viana
Há muito, muito tempo, na margem direita do rio Lima, erguia-se uma pequena povoação que tinha o nome de Átrio ou Adro. As pessoas que aqui habitavam construíam barcos, fabricavam redes e ensinavam as filhas e as mulheres a consertá-las…             Para além de pescarem no rio também se aventuravam no alto mar, apesar de muitas vezes serem surpreendidos pelo mau tempo, tornando-se difícil vencer a impetuosidade das ondas. De lá traziam carapaus, congros, pescadas, sardinhas, fanecas e muitos outros peixes, com que se alimentavam e vendiam no mercado.             Quando o mar se alterava e não permitia a pesca, tinham o rio. E Aqui pescavam enguias, solhas, trutas, tainhas, lampreias, sáveis e salmões, conforme as épocas.     …

O cabeçudo Pinguço

Se já era fã de cabeçudos, agora ainda sou mais. A experiência de aprender a construir foi fantástica, adoro todo o processo, construção da estrutura, criação de personagens... Não vou parar de fazer cabeçudos  :«) é muito bom. Mas falemos do Pinguço. O Pinguço é daqueles portugueses que anda um pouco baralhado e está inactivo perante as mudanças sociais, económicas e políticas deste país. Ele ainda não compreendeu se está embriagado ou se apanhou sol a mais. Uma coisa é certa está estupefacto e ranhoso, muito ranhoso, também tem uns suores frios. Espero que reaja ( positivamente), que tome uma atitude para melhorar o que está menos bem. Eu (Fernanda) tenho esperança, não é fácil, mas é possível.




De costas, à janela, ainda por pintar.




Novamente de costas, mas já pintado.






De frente, de perfil, é feio que se farta. Torna-se engraçado de tão feio que é.




Para finalizar uma foto de amigos  :«)