Avançar para o conteúdo principal

No Farol de Montedor

Falando, ainda, da visita de Ilda Figueiredo e Agostinho Santos ao PapaPapel Atelier.
Passado uns dias após a visita, recebi um e-mail de Ilda, oferecendo-me um lindo poema que, falava do que ela viu e sentiu. Foi uma honra para mim tal oferta. Obrigada, Ilda.
É claro que, vou partilhá-lo convosco. Vou deixar algumas fotos e, o poema.

Farol de Montedor



Moinhos



Sinal sonoro

Cabeçudos


O atelier



A mulher

O poema

No farol de Montedor

Na tarde, o farol era só a torre
 sobre o verde, a contrastar
com o azul do mar,
erguendo-se acima do moinho de vento;
mas é luz, orientação e futuro
há mais de cem anos
no lugar de Montedor:
força dos homens que recolhiam o sargaço
na pequena masseira
ou ainda arriscam a vida na pesca costeira
Haverá dinâmica e futuro,
a culminar o esforço da subida,
quando o olhar se espraia na paisagem
ou se interroga no mistério da evolução:
das gravuras rupestres nas rochas vizinhas
à tecnologia da luz - que o faroleiro maneja
numa sabedoria milenar -
inclui-se o farol de Alexandria
ali, na freguesia de Carreço.

No segredo da casa, a mulher
aprofunda o mistério da criação:
da massa de papel nascem anastácias
cabeçudos, gatos, elefantes e outros quejandos,
que se definem em cores
e saltam para os sonhos
de quem ainda tem asas,
e transforma na lira da luta
 a tristeza e o empobrecimento
- o voo da transformação social
é a luz do farol na vida humana.

Janeiro 2012

Ilda Figueiredo


Comentários

Mensagens populares deste blogue

Cabeçudo

O Faroleiro  No 1º trimeste deste ano resolvi participar no curso de cabeçudos do grupo etnográfico da Areosa. Já tinha alguma curiosidade em saber qual a técnica utilizada para se fazer o tradicional cabeçudo. Quando cheguei a Viana, o ano passado, pensei logo, tenho de ir ver os cabeçudos e gingantones. E assim foi. A nossa chegada foi em Julho e as festas da Sra. D'Agonia são em Agosto. Lá fui eu, feliz e contente. Adorei. Vou, então, apresentar o meu 1º cabeçudo que já andou por festas e exposições este ano.
De frente. Ele está um pouco cansado. Foi muito trabalho...


Um ligeiro perfil.




O curso

O Faroleiro



Outros cabeçudos. Trabalhos dos meus colegas.




Rainha Santa Isabel

Foi nos feito o desafio de criarmos a nossa versão da Rainha Santa Isabel. Aceitámos logo. Também nós, nos rendemos aos encantos da jovem rainha, esposa de D. Dinis. Muito culta, bondosa, corajosa.
 Muito se escreve sobre ela. A lenda mais conhecida, é o Milagre das Rosas, e foi nele que nos inspirámos. Pois apesar de muitos feitos, esta Rainha, é imediatamente identificada com ele.
Deixamos alguns links, onde podem satisfazer a vossa curiosidade sobre esta mulher, que foi Rainha de Portugal.

http://ensina.rtp.pt/artigo/o-tesouro-da-rainha-santa-isabel/
http://www.rainhasantaisabel.org/index.php?option=com_content&view=article&id=124&Itemid=108
http://www.historiadeportugal.info/rainha-santa-isabel/

Não temos por hábito, numerar as nossas peças, mesmo as coleccionáveis.
Fizemos duas versões, não sabemos se faremos mais, mas, decidimos numerá-las.
Basta de conversa, mostremos o trabalho. Comecemos pela nº 1.
Começou assim...






E, ficou assim...


Costas (antes, em bruto)...


Cos…

Viana do Castelo e sua Lenda.

Ainda vamos estar por Viana mais uns dias. A partida está a ser complicada. Continuando com as despedidas, vou partilhar convosco algumas fotos da cidade e a sua lenda.





Encontrei várias versões da Lenda de Viana do Castelo. Vou partilhar duas.
"
A lenda de Viana
Há muito, muito tempo, na margem direita do rio Lima, erguia-se uma pequena povoação que tinha o nome de Átrio ou Adro. As pessoas que aqui habitavam construíam barcos, fabricavam redes e ensinavam as filhas e as mulheres a consertá-las…             Para além de pescarem no rio também se aventuravam no alto mar, apesar de muitas vezes serem surpreendidos pelo mau tempo, tornando-se difícil vencer a impetuosidade das ondas. De lá traziam carapaus, congros, pescadas, sardinhas, fanecas e muitos outros peixes, com que se alimentavam e vendiam no mercado.             Quando o mar se alterava e não permitia a pesca, tinham o rio. E Aqui pescavam enguias, solhas, trutas, tainhas, lampreias, sáveis e salmões, conforme as épocas.     …