Avançar para o conteúdo principal

Ainda pelo Minho.



Pois é, Barcelos, quem não conhece este galo??? Acho que todos o conhecem, o "Galo de Barcelos" é muito famoso em Portugal e no estrangeiro, também. Muitos conhecem-no, também, por "Galo da sorte", provavelmente, por causa da sua lenda, que nem todos conhecem. Para quem ainda não conhece esta lenda, aqui fica.
"Segundo a lenda, os habitantes de Barcelos andavam alarmados com um crime, do qual ainda não se tinha descoberto o criminoso que o cometera. Certo dia, apareceu um galego que se tornou suspeito. As autoridades resolveram prendê-lo, apesar dos seus juramentos de inocência, que estava apenas de passagem em peregrinação a Santiago de Compostela, em cumprimento duma promessa. Condenado à forca, o homem pediu que o levassem à presença do juiz que o condenara. Concedida a autorização, levaram-no à residência do magistrado, que nesse momento se banqueteava com alguns amigos. O galego voltou a afirmar a sua inocência e, perante a incredulidade dos presentes, apontou para um galo assado que estava sobre a mesa e exclamou: "É tão certo eu estar inocente, como esse galo cantar quando me enforcarem. O juiz empurrou o o prato para o lado e ignorou o apelo, mas quando o peregrino estava a ser enforcado, o galo ergueu-se na mesa e cantou. Compreendendo o seu erro, o juiz correu para a forca e descobriu que o galego se salvara graças a um nó mal feito. O homem foi imediatamente solto e mandado em paz.
Alguns anos mais tarde, o galego teria voltado a Barcelos para esculpir o cruzeiro do senhor do galo em louvor à Virgem Maria e a São Tiago."
Fonte: Wikipédia.






Este teve o privilégio de conhecer alguns galos da grande Júlia Ramalho, gostou tanto que, preferiu uma fatiota igual a um certo galo com três pernas (obra da Júlia Ramalho, que poderão admirar na foto a seguir).


Até que ficaram giros, com suas novas fatiotas.

Comentários

  1. Estão lindos de mais! Até estou de boca aberta. :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Obrigada, miga. Mas, oh... fecha a boca.
      :»)
      Bêjocas.

      Eliminar
  2. Rogério Guimarães18 de maio de 2012 às 11:04

    Muito bom, os gatos de Barcelos!
    Posso até dizer que no domínio da arte contemporânea haveria aqui objecto de discussão.
    Muito bom mesmo.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Obrigada, Rogério. É sempre bom ler ou ouvir os teus comentários. Gostei muito de conversar contigo e, muito ficou por dizer. Estes temas nunca têm fim. Continuaremos a conversar, trocar ideias e experiências, e, conto sempre com a tua opinião. Obrigada.
      Bêjocas.

      Eliminar

Enviar um comentário

Mensagens populares deste blogue

Cabeçudo

O Faroleiro  No 1º trimeste deste ano resolvi participar no curso de cabeçudos do grupo etnográfico da Areosa. Já tinha alguma curiosidade em saber qual a técnica utilizada para se fazer o tradicional cabeçudo. Quando cheguei a Viana, o ano passado, pensei logo, tenho de ir ver os cabeçudos e gingantones. E assim foi. A nossa chegada foi em Julho e as festas da Sra. D'Agonia são em Agosto. Lá fui eu, feliz e contente. Adorei. Vou, então, apresentar o meu 1º cabeçudo que já andou por festas e exposições este ano.
De frente. Ele está um pouco cansado. Foi muito trabalho...


Um ligeiro perfil.




O curso

O Faroleiro



Outros cabeçudos. Trabalhos dos meus colegas.




Viana do Castelo e sua Lenda.

Ainda vamos estar por Viana mais uns dias. A partida está a ser complicada. Continuando com as despedidas, vou partilhar convosco algumas fotos da cidade e a sua lenda.





Encontrei várias versões da Lenda de Viana do Castelo. Vou partilhar duas.
"
A lenda de Viana
Há muito, muito tempo, na margem direita do rio Lima, erguia-se uma pequena povoação que tinha o nome de Átrio ou Adro. As pessoas que aqui habitavam construíam barcos, fabricavam redes e ensinavam as filhas e as mulheres a consertá-las…             Para além de pescarem no rio também se aventuravam no alto mar, apesar de muitas vezes serem surpreendidos pelo mau tempo, tornando-se difícil vencer a impetuosidade das ondas. De lá traziam carapaus, congros, pescadas, sardinhas, fanecas e muitos outros peixes, com que se alimentavam e vendiam no mercado.             Quando o mar se alterava e não permitia a pesca, tinham o rio. E Aqui pescavam enguias, solhas, trutas, tainhas, lampreias, sáveis e salmões, conforme as épocas.     …

A Primeira de muitas.

Uma amiga do Atelier e, da nossa artesã, também uma cliente fantástica, queria oferecer uma Bruxa. Contactou-nos a saber se era possível, visto que faltava poucos dias para o aniversário da feliz contemplada. Arriscámos e, aceitámos o desafio. Acabámos por ter de a ir entregar a Setúbal ( a aniversariante é de lá), mas conseguimos satisfazer o pedido da nossa amiga e cliente e, ainda deu para passear, estar umas horas entres amigos (amigas, no caso).
Apesar do tempo de trabalho ter sido curto, achamos que ficou bonita, a primeira Bruxa PapaPapel. É a primeira, está numerada e, decidimos agora que a vamos chamar de Grazina. (Não se deixem enganar pelo ar sorridente)














Espero que gostem tanto como nós, que a fizemos, elas, que ofereceram e, ela que recebeu. No caso de, também, querer uma Bruxinha, contacte-nos. (papa.papel@sapo.pt)
Até breve.

Texto de Vianinha. Fotos de Sentieira