Avançar para o conteúdo principal

FIA - A exposição

Depois de dois meses de trabalho, a decisão... O que levar??? Que tema??? Como expor???
Acabámos por decidir pelo tema "poupança", os nosso mealheiros estiveram em maioria; também estiveram presentes os "anjos à porta", os nossos segura portas e, a família de cegonhas (o nosso presépio com animais) marcou a sua presença com grande vedetismo; a cereja no topo do bolo foi o Faroleiro Cabeçudo.
Optámos por uma exposição minimalista, para que o visitante pudesse ver, analisar, observar, interiorizar cada uma das peças em particular. Os expositores também eram reciclados, caixas de fruta e rolos de cartão de película aderente industrial  revestido a pasta de papel e pintado de branco. Inicialmente colocámos tudo muito alinhadinho numa das paredes do stand e ficámos na mesa num dos cantos exteriores. A ideia era sermos os anfitriões, convidar as pessoas a entrar num espaço, demasiado aberto, para todos podermos conviver, as peças, nós e os visitantes. Não resultou, acabou ficando um espaço intimidador. No mesmo dia, o Nuno identificou logo o problema, logo de seguida, quando recebemos a visita dos nossos amigos Paulo e Sandra, já muito experientes nestas andanças, concordaram com o Nuno e deram-nos preciosas dicas que resultaram numa presença na feira, fantástica e apelativa.
Passemos às imagens.

A chegada...



A Exposição...

Mealheiros PapaPapel,
Anastácias...




 Alfacinhas...





Vamos à lua...


O cachorro  e as vedetas, os Miaus...







Os mochos, também marcaram presença...


"Anjos à porta", são segura portas com um ar malandreco, divertido e muito rústicos, com um acabamento rugoso...



A "família cegonha", um presépio com animais, recebeu muita atenção por parte dos visitantes...


A finalizar, localizado mais ou menos a meio do espaço de exposição, a grande vedeta, o Faroleiro Cabeçudo...


O adeus, até para o ano... 
Desmontar, arrumar, descansar...




A feira chegou ao fim. A festa acabou. 
Um pequeno descanso, só carregar pilhas, pois há muito trabalho para fazer, felizmente. Foi esse o resultado desta feira a "FIA", mais trabalho, novos convites. Saldo positivo.
Obrigada a todos os que colaboraram e, juntos fizemos acontecer.
Obrigada a todos os que nos visitaram.
Obrigada.
Textos de Fernanda Viana
Fotos de Victor, Rute, Paula e Sentieira
 

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Cabeçudo

O Faroleiro  No 1º trimeste deste ano resolvi participar no curso de cabeçudos do grupo etnográfico da Areosa. Já tinha alguma curiosidade em saber qual a técnica utilizada para se fazer o tradicional cabeçudo. Quando cheguei a Viana, o ano passado, pensei logo, tenho de ir ver os cabeçudos e gingantones. E assim foi. A nossa chegada foi em Julho e as festas da Sra. D'Agonia são em Agosto. Lá fui eu, feliz e contente. Adorei. Vou, então, apresentar o meu 1º cabeçudo que já andou por festas e exposições este ano.
De frente. Ele está um pouco cansado. Foi muito trabalho...


Um ligeiro perfil.




O curso

O Faroleiro



Outros cabeçudos. Trabalhos dos meus colegas.




Viana do Castelo e sua Lenda.

Ainda vamos estar por Viana mais uns dias. A partida está a ser complicada. Continuando com as despedidas, vou partilhar convosco algumas fotos da cidade e a sua lenda.





Encontrei várias versões da Lenda de Viana do Castelo. Vou partilhar duas.
"
A lenda de Viana
Há muito, muito tempo, na margem direita do rio Lima, erguia-se uma pequena povoação que tinha o nome de Átrio ou Adro. As pessoas que aqui habitavam construíam barcos, fabricavam redes e ensinavam as filhas e as mulheres a consertá-las…             Para além de pescarem no rio também se aventuravam no alto mar, apesar de muitas vezes serem surpreendidos pelo mau tempo, tornando-se difícil vencer a impetuosidade das ondas. De lá traziam carapaus, congros, pescadas, sardinhas, fanecas e muitos outros peixes, com que se alimentavam e vendiam no mercado.             Quando o mar se alterava e não permitia a pesca, tinham o rio. E Aqui pescavam enguias, solhas, trutas, tainhas, lampreias, sáveis e salmões, conforme as épocas.     …

O cabeçudo Pinguço

Se já era fã de cabeçudos, agora ainda sou mais. A experiência de aprender a construir foi fantástica, adoro todo o processo, construção da estrutura, criação de personagens... Não vou parar de fazer cabeçudos  :«) é muito bom. Mas falemos do Pinguço. O Pinguço é daqueles portugueses que anda um pouco baralhado e está inactivo perante as mudanças sociais, económicas e políticas deste país. Ele ainda não compreendeu se está embriagado ou se apanhou sol a mais. Uma coisa é certa está estupefacto e ranhoso, muito ranhoso, também tem uns suores frios. Espero que reaja ( positivamente), que tome uma atitude para melhorar o que está menos bem. Eu (Fernanda) tenho esperança, não é fácil, mas é possível.




De costas, à janela, ainda por pintar.




Novamente de costas, mas já pintado.






De frente, de perfil, é feio que se farta. Torna-se engraçado de tão feio que é.




Para finalizar uma foto de amigos  :«)