Avançar para o conteúdo principal

Aventuras e desventuras da nossa equipa. (Parte 2)

Partida


Para quem não se lembra, antes de virmos para Lisboa estávamos na Ilha do Farol - Faro. Para sair ou entrar nesta ilha, o único meio é o barco, seja ele particular, alugado, emprestado, da carreira... Já estão a ver o filme, certo! 😏 
Para mudarmos temos de acertar o dia e a hora entre o transporte fluvial e o terrestre. Há que ter atenção ás marés, aos horários das empresas que nos prestam serviço, etc.
Tendo tudo isto em conta, preparámos tudo com muito cuidado. Marcámos hora com o barco, cedo, por causa da maré, acertámos com o camião de mudanças em Olhão, de véspera deixamos tudo preparado e, no dia, acordámos cedo para levar as nossas tralhas, num tractor com atrelado, até ao cais onde marcámos com o barco.
Tudo a postos...



6 de Setembro, ainda antes das 9h da manhã, todas as tralhas estavam no cais, à espera do barco que ainda não se avistava. Uma hora depois, ficámos a saber que o dito barco, só viria às 11h. Segundo eles, para nosso espanto, era a hora marcada. A essa hora a maré já estaria vazia, o que complicaria em muito a passagem das coisas para o barco. Acreditamos que terá havido um problema de comunicação. O certo é que não havia nada a fazer, tínhamos de continuar.
Primeira aventura, ou desventura... 😒 

Vejam...




Tudo ficou atrasado. 
Às 11h foi a hora marcada com o camião, portanto estávamos com um atraso de 2 horas. Mas por volta das 13h lá deixámos a ilha, com um nó na garganta, mas ao mesmo tempo com alívio. Tínhamos de ir, e estávamos atrasados.
As últimas imagens...


  
Chegados a Olhão, atrasados, com a maré a encher mas ainda muito vazia, o que dificulta o trabalho. Sendo hora de almoço, a decisão foi, ir almoçar.

Almoço no Clube Naval em Olhão... 



Eu não comi isto, para mim foi uma saladinha e batatas fritas. 😏
Estávamos cansados, assim recuperámos as forças, a maré subiu e, pelas 15h lá estávamos a passar as tralhas do barco para o camião. Agora com mais uns braços para ajudar, os homens da empresa de mudanças. 
Foi relativamente rápido. Mais braços para trabalhar, forças recuperadas pelo almoço. Pelas 17h, depois da merecida cervejinha, abalámos rumo a Lisboa.

Viagem...


Chegámos a Lisboa por volta das 20h, mas isso é assunto para a próxima publicação. 
Até lá. 😉

Fernanda Viana

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Cabeçudo

O Faroleiro  No 1º trimeste deste ano resolvi participar no curso de cabeçudos do grupo etnográfico da Areosa. Já tinha alguma curiosidade em saber qual a técnica utilizada para se fazer o tradicional cabeçudo. Quando cheguei a Viana, o ano passado, pensei logo, tenho de ir ver os cabeçudos e gingantones. E assim foi. A nossa chegada foi em Julho e as festas da Sra. D'Agonia são em Agosto. Lá fui eu, feliz e contente. Adorei. Vou, então, apresentar o meu 1º cabeçudo que já andou por festas e exposições este ano.
De frente. Ele está um pouco cansado. Foi muito trabalho...


Um ligeiro perfil.




O curso

O Faroleiro



Outros cabeçudos. Trabalhos dos meus colegas.




Rainha Santa Isabel

Foi nos feito o desafio de criarmos a nossa versão da Rainha Santa Isabel. Aceitámos logo. Também nós, nos rendemos aos encantos da jovem rainha, esposa de D. Dinis. Muito culta, bondosa, corajosa.
 Muito se escreve sobre ela. A lenda mais conhecida, é o Milagre das Rosas, e foi nele que nos inspirámos. Pois apesar de muitos feitos, esta Rainha, é imediatamente identificada com ele.
Deixamos alguns links, onde podem satisfazer a vossa curiosidade sobre esta mulher, que foi Rainha de Portugal.

http://ensina.rtp.pt/artigo/o-tesouro-da-rainha-santa-isabel/
http://www.rainhasantaisabel.org/index.php?option=com_content&view=article&id=124&Itemid=108
http://www.historiadeportugal.info/rainha-santa-isabel/

Não temos por hábito, numerar as nossas peças, mesmo as coleccionáveis.
Fizemos duas versões, não sabemos se faremos mais, mas, decidimos numerá-las.
Basta de conversa, mostremos o trabalho. Comecemos pela nº 1.
Começou assim...






E, ficou assim...


Costas (antes, em bruto)...


Cos…

Viana do Castelo e sua Lenda.

Ainda vamos estar por Viana mais uns dias. A partida está a ser complicada. Continuando com as despedidas, vou partilhar convosco algumas fotos da cidade e a sua lenda.





Encontrei várias versões da Lenda de Viana do Castelo. Vou partilhar duas.
"
A lenda de Viana
Há muito, muito tempo, na margem direita do rio Lima, erguia-se uma pequena povoação que tinha o nome de Átrio ou Adro. As pessoas que aqui habitavam construíam barcos, fabricavam redes e ensinavam as filhas e as mulheres a consertá-las…             Para além de pescarem no rio também se aventuravam no alto mar, apesar de muitas vezes serem surpreendidos pelo mau tempo, tornando-se difícil vencer a impetuosidade das ondas. De lá traziam carapaus, congros, pescadas, sardinhas, fanecas e muitos outros peixes, com que se alimentavam e vendiam no mercado.             Quando o mar se alterava e não permitia a pesca, tinham o rio. E Aqui pescavam enguias, solhas, trutas, tainhas, lampreias, sáveis e salmões, conforme as épocas.     …