Avançar para o conteúdo principal

Loulé

O mês de Abril vai ser dedicado à cidade de Loulé. Loulé é a nossa nova amizade, ainda em crescimento, mas amizade. Esta linda cidade Algarvia, cheia de vida e muito acolhedora, recebe os seus visitantes de peito aberto oferecendo a sua amizade.

A primeira vez que por lá passámos, foi mesmo uma passagem rápida, durou umas horas, mas foi tão agradável que decidimos voltar. E voltámos, no final de Outubro de 2015, fomos passar um fim de semana a Loulé. Entre muitos lugares para ficar em Loulé, certamente bons, escolhemos "Loulé Coreto Hostel.
https://www.facebook.com/loulecoretohostel/?fref=ts  http://loulecoretohostel.com/
Recomendo. Ficámos muito bem instalados e fomos muito bem recebidos pelos donos do hostel, casal muito simpático e hospitaleiro. O Sentimento que ficou, foi "passámos um óptimo fim de semana em casa de uns amigos em Loulé".

Entre conversas falámos do nosso trabalho e do gosto que teríamos em fazer algo em Loulé, deixámos o nosso cartão, afim de mantermos contacto. Não demorou muito para receber um telefonema da simpática Mafalda Peixoto, dona do hostel, propondo-me um workshop em Loulé e na viabilidade de ser no hostel, visto que são parceiros de "Loulé Criativo" um conceito de turismo criativo que surgiu em 2000, nos trabalhos de investigação de Greg Richards e Crispin Raymond, ao qual CM Loulé aderiu.
http://www.loulecriativo.pt/home
http://www.creativetourism.org/associates/greg-richards/
http://www.creativetourism.org/associates/crispin-raymond/

Um conceito muito interessante, do qual me orgulho de fazer parte, pois aceitámos, claro, o convite da Mafalda Peixoto. Assim vamos estar todo o mês de Abril para este projecto, um  worksop no dia 30 de Abril "Oficina de arte de transformar o papel".
https://www.facebook.com/events/192218317815774/?ref=3&ref_newsfeed_story_type=regular&feed_story_type=17&action_history=null
E, também, no 1º de Maio, uma exposição "Loulé num fim de semana". Esta exposição, também, vai dar inicio a um novo projecto do PapaPapel Atelier, mas sobre ele falaremos noutra ocasião.

Ao longo do mês vamos dando noticias sobre o que está acontecer e esperamos que nos visitem em Loulé.

Imagens que nos encantaram e registámos, o melhor possível, para convosco poder partilhar.

Torre do relógio...



Mercado...



Coreto




Arte por todo o lado...

António Aleixo.







Divertidos...



Muito mais há para ver e sentir em Loulé, mas para isso têm de lá ir. Eheheheheh!!!!

Estejam atentos, mais noticias em breve.

Texto: Fernanda Viana
Fotos: Sentieira

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Cabeçudo

O Faroleiro  No 1º trimeste deste ano resolvi participar no curso de cabeçudos do grupo etnográfico da Areosa. Já tinha alguma curiosidade em saber qual a técnica utilizada para se fazer o tradicional cabeçudo. Quando cheguei a Viana, o ano passado, pensei logo, tenho de ir ver os cabeçudos e gingantones. E assim foi. A nossa chegada foi em Julho e as festas da Sra. D'Agonia são em Agosto. Lá fui eu, feliz e contente. Adorei. Vou, então, apresentar o meu 1º cabeçudo que já andou por festas e exposições este ano.
De frente. Ele está um pouco cansado. Foi muito trabalho...


Um ligeiro perfil.




O curso

O Faroleiro



Outros cabeçudos. Trabalhos dos meus colegas.




Viana do Castelo e sua Lenda.

Ainda vamos estar por Viana mais uns dias. A partida está a ser complicada. Continuando com as despedidas, vou partilhar convosco algumas fotos da cidade e a sua lenda.





Encontrei várias versões da Lenda de Viana do Castelo. Vou partilhar duas.
"
A lenda de Viana
Há muito, muito tempo, na margem direita do rio Lima, erguia-se uma pequena povoação que tinha o nome de Átrio ou Adro. As pessoas que aqui habitavam construíam barcos, fabricavam redes e ensinavam as filhas e as mulheres a consertá-las…             Para além de pescarem no rio também se aventuravam no alto mar, apesar de muitas vezes serem surpreendidos pelo mau tempo, tornando-se difícil vencer a impetuosidade das ondas. De lá traziam carapaus, congros, pescadas, sardinhas, fanecas e muitos outros peixes, com que se alimentavam e vendiam no mercado.             Quando o mar se alterava e não permitia a pesca, tinham o rio. E Aqui pescavam enguias, solhas, trutas, tainhas, lampreias, sáveis e salmões, conforme as épocas.     …

O cabeçudo Pinguço

Se já era fã de cabeçudos, agora ainda sou mais. A experiência de aprender a construir foi fantástica, adoro todo o processo, construção da estrutura, criação de personagens... Não vou parar de fazer cabeçudos  :«) é muito bom. Mas falemos do Pinguço. O Pinguço é daqueles portugueses que anda um pouco baralhado e está inactivo perante as mudanças sociais, económicas e políticas deste país. Ele ainda não compreendeu se está embriagado ou se apanhou sol a mais. Uma coisa é certa está estupefacto e ranhoso, muito ranhoso, também tem uns suores frios. Espero que reaja ( positivamente), que tome uma atitude para melhorar o que está menos bem. Eu (Fernanda) tenho esperança, não é fácil, mas é possível.




De costas, à janela, ainda por pintar.




Novamente de costas, mas já pintado.






De frente, de perfil, é feio que se farta. Torna-se engraçado de tão feio que é.




Para finalizar uma foto de amigos  :«)