Avançar para o conteúdo principal

Informação

O PapaPapel Atelier está a perder magia e brilho. Eu, Fernanda Viana, artesã e responsável por este espaço mágico, não posso deixar que tal aconteça. Eu, Fernanda Viana, e o PapaPapel Atelier somos um só. Então, onde está o problema? Está em mim. Não estou a conseguir ser artesã, distribuidora, vendedora, cobradora e, sei lá mais o quê, ao mesmo tempo. Não está a funcionar. Por outro lado, à muito, muito tempo que ando com vontade de mudar. Não vou deixar de transformar o papel em arte, é o que melhor sei fazer, vou é fazê-lo de uma outra forma. Vou libertar-me das amarras que, de certa maneira, o artesanato me pôs. E como? Não sei bem. Apenas sei que tem de ser, sem pressas, com os pés bem assentes na terra mas, com alma. Para começar, retirar as peças que estão espalhadas pelo país em algumas lojas. Essas peças e mais algumas que, por já estarem começadas estou a terminá-las, vão ser expostas neste blogue, numa página que irá ser criada com o nome de Montra. Quem estiver interessado poderá adquiri-las contactando-me através de papa.papel@sapo.pt. A página de facebook https://www.facebook.com/PapaPapelAtelier?ref=hl irá ser fechada no final deste mês. Por isso, para saberem noticias nossas terão de continuar a seguir-nos, aqui, no blogue.
Não sei o que vai acontecer ao PapaPapel Atelier no próximo ano, nem a mim, não estou preocupada. Espero conseguir continuar a trabalhar na arte de transformar o papel e, que vocês gostem e valorizem o que das minhas mãos sair. Quero voltar a recuperar a minha magia.

Um bem haja a todos. Espero que continuem a seguir, apreciar e, quem sabe adquirir o meu trabalho. Sem vocês nada fará sentido.
Grata pela vossa compreensão e, continuem a seguir-nos.

Inté!
:0)

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Cabeçudo

O Faroleiro  No 1º trimeste deste ano resolvi participar no curso de cabeçudos do grupo etnográfico da Areosa. Já tinha alguma curiosidade em saber qual a técnica utilizada para se fazer o tradicional cabeçudo. Quando cheguei a Viana, o ano passado, pensei logo, tenho de ir ver os cabeçudos e gingantones. E assim foi. A nossa chegada foi em Julho e as festas da Sra. D'Agonia são em Agosto. Lá fui eu, feliz e contente. Adorei. Vou, então, apresentar o meu 1º cabeçudo que já andou por festas e exposições este ano.
De frente. Ele está um pouco cansado. Foi muito trabalho...


Um ligeiro perfil.




O curso

O Faroleiro



Outros cabeçudos. Trabalhos dos meus colegas.




Rainha Santa Isabel

Foi nos feito o desafio de criarmos a nossa versão da Rainha Santa Isabel. Aceitámos logo. Também nós, nos rendemos aos encantos da jovem rainha, esposa de D. Dinis. Muito culta, bondosa, corajosa.
 Muito se escreve sobre ela. A lenda mais conhecida, é o Milagre das Rosas, e foi nele que nos inspirámos. Pois apesar de muitos feitos, esta Rainha, é imediatamente identificada com ele.
Deixamos alguns links, onde podem satisfazer a vossa curiosidade sobre esta mulher, que foi Rainha de Portugal.

http://ensina.rtp.pt/artigo/o-tesouro-da-rainha-santa-isabel/
http://www.rainhasantaisabel.org/index.php?option=com_content&view=article&id=124&Itemid=108
http://www.historiadeportugal.info/rainha-santa-isabel/

Não temos por hábito, numerar as nossas peças, mesmo as coleccionáveis.
Fizemos duas versões, não sabemos se faremos mais, mas, decidimos numerá-las.
Basta de conversa, mostremos o trabalho. Comecemos pela nº 1.
Começou assim...






E, ficou assim...


Costas (antes, em bruto)...


Cos…

Viana do Castelo e sua Lenda.

Ainda vamos estar por Viana mais uns dias. A partida está a ser complicada. Continuando com as despedidas, vou partilhar convosco algumas fotos da cidade e a sua lenda.





Encontrei várias versões da Lenda de Viana do Castelo. Vou partilhar duas.
"
A lenda de Viana
Há muito, muito tempo, na margem direita do rio Lima, erguia-se uma pequena povoação que tinha o nome de Átrio ou Adro. As pessoas que aqui habitavam construíam barcos, fabricavam redes e ensinavam as filhas e as mulheres a consertá-las…             Para além de pescarem no rio também se aventuravam no alto mar, apesar de muitas vezes serem surpreendidos pelo mau tempo, tornando-se difícil vencer a impetuosidade das ondas. De lá traziam carapaus, congros, pescadas, sardinhas, fanecas e muitos outros peixes, com que se alimentavam e vendiam no mercado.             Quando o mar se alterava e não permitia a pesca, tinham o rio. E Aqui pescavam enguias, solhas, trutas, tainhas, lampreias, sáveis e salmões, conforme as épocas.     …