Avançar para o conteúdo principal

Recordar 2012 (continuação)

Bom dia! Bom dia!
Hoje é uma recordação pequenina :0) Vamos recordar porta-lápis e, para hoje temos os...

Mochos


Estes Mochos estão com as cores de Portugal e foram inspirados na imagem conhecida dos 3 macacos sábios "não ouço, não vejo, não falo".
Entre muitas historias, encontrei esta lenda no blogue "www.tempreguicanao.com.br".
Achei engraçada e resolvi partilhar.

Conta a lenda que os Três Sábios Macacos Sábios chegaram ao arquipélago em um barco que vinha de mares distantes, outros dizem que o barco chegara das estrelas de uma constelação longínqua, quando aquela montanha era um vulcão efervescente. Eles vieram em missão para acalmar o vulcão e ensinarem à humanidade nascente a prática da sagrada arte do uso dos sentidos para combater o mal dentro de nós mesmos.

Mizaru, Kikazaru e Iwazaru orientam todos aqueles que se dispõem a aprender tal prática, que só se desenvolve e se educa quando se vive nas próprias comunidades através do exemplo da dedicação, alegria e amor mais puros ao aperfeiçoamento da bondade, a si mesmo e ao próximo. Os Três Sábios Macacos orientam na Luz, no Amor e no Poder da Sabedoria que transforma todo mal no bem.

No decorrer de milênios poucos peregrinos conseguiram chegar fisicamente até o local sagrado para, aos pés dos Três Sábios Macacos Katanas, receberem a honra de serem guardiões da Katana, e defenderem a paz e a harmonia entre as pessoas. Pode-se também chegar ao templo todos aqueles que aspiram por ajudarem a evolução da humanidade, através das asas do sono, do sonho e sentimentos e pensamentos mais puros e reais. E isso é o que tem acontecido ultimamente.

Acredita-se que esses guardiões foram muito poucos através da história, e os que existiram tiveram uma vida pacata entre os povos, mas plena de exemplos de sabedoria para aqueles com os quais conviviam.

Sabe-se que os Três Sábios Macacos Katanas recentemente receberam no templo do alto do monte - através do caminho do sonho - prepararam e enviaram novos discípulos aos quatro cantos do mundo, para acompanhar, proteger e seguir adiante na construção de um mundo novo. Esses discípulos estão entre as crianças que fazem tanta macaquice alegremente nos recantos mais diferentes do planeta. Elas estão em todos os lugares e precisamos enxergá-las, ouvi-las e falar com elas e a elas.

Neste tempo de mudanças e de transição, que não se veja, que não se ouça e que não se fale mais do mal que tantas tristezas trouxe ao mundo. Agora, dizem os Três Sábios Macacos Katanas, o tempo é de se viver com coragem para tudo suportar, perseverança para tudo de bom conseguir, e alegria para tudo reconstruir.


Comentários

Mensagens populares deste blogue

Cabeçudo

O Faroleiro  No 1º trimeste deste ano resolvi participar no curso de cabeçudos do grupo etnográfico da Areosa. Já tinha alguma curiosidade em saber qual a técnica utilizada para se fazer o tradicional cabeçudo. Quando cheguei a Viana, o ano passado, pensei logo, tenho de ir ver os cabeçudos e gingantones. E assim foi. A nossa chegada foi em Julho e as festas da Sra. D'Agonia são em Agosto. Lá fui eu, feliz e contente. Adorei. Vou, então, apresentar o meu 1º cabeçudo que já andou por festas e exposições este ano.
De frente. Ele está um pouco cansado. Foi muito trabalho...


Um ligeiro perfil.




O curso

O Faroleiro



Outros cabeçudos. Trabalhos dos meus colegas.




Viana do Castelo e sua Lenda.

Ainda vamos estar por Viana mais uns dias. A partida está a ser complicada. Continuando com as despedidas, vou partilhar convosco algumas fotos da cidade e a sua lenda.





Encontrei várias versões da Lenda de Viana do Castelo. Vou partilhar duas.
"
A lenda de Viana
Há muito, muito tempo, na margem direita do rio Lima, erguia-se uma pequena povoação que tinha o nome de Átrio ou Adro. As pessoas que aqui habitavam construíam barcos, fabricavam redes e ensinavam as filhas e as mulheres a consertá-las…             Para além de pescarem no rio também se aventuravam no alto mar, apesar de muitas vezes serem surpreendidos pelo mau tempo, tornando-se difícil vencer a impetuosidade das ondas. De lá traziam carapaus, congros, pescadas, sardinhas, fanecas e muitos outros peixes, com que se alimentavam e vendiam no mercado.             Quando o mar se alterava e não permitia a pesca, tinham o rio. E Aqui pescavam enguias, solhas, trutas, tainhas, lampreias, sáveis e salmões, conforme as épocas.     …

O cabeçudo Pinguço

Se já era fã de cabeçudos, agora ainda sou mais. A experiência de aprender a construir foi fantástica, adoro todo o processo, construção da estrutura, criação de personagens... Não vou parar de fazer cabeçudos  :«) é muito bom. Mas falemos do Pinguço. O Pinguço é daqueles portugueses que anda um pouco baralhado e está inactivo perante as mudanças sociais, económicas e políticas deste país. Ele ainda não compreendeu se está embriagado ou se apanhou sol a mais. Uma coisa é certa está estupefacto e ranhoso, muito ranhoso, também tem uns suores frios. Espero que reaja ( positivamente), que tome uma atitude para melhorar o que está menos bem. Eu (Fernanda) tenho esperança, não é fácil, mas é possível.




De costas, à janela, ainda por pintar.




Novamente de costas, mas já pintado.






De frente, de perfil, é feio que se farta. Torna-se engraçado de tão feio que é.




Para finalizar uma foto de amigos  :«)