Avançar para o conteúdo principal

Férias na Margem Sul

Como ainda não estão prontos os novos trabalhos, estão quase, vou mostrar um pouco da Margem Sul do Tejo. Local por onde andei, andámos, nas férias. É uma pequena, grande parte do nosso País que me, nos, é muito querida. A nossa saudosa mascote, a Margarida, era natural do Miratejo, margem sul.

Ora vejam, Almada, Casa da Cerca, Um espaço fantástico.



Onde somos sempre presenteados com uma exposição. Desta vez, tivemos a sorte de ver uma exposição de Isabelle Faria. Deixo-vos uma pequenina amostra.






Os jardins, sempre tranquilos onde é agradável estar, conversar um pouco, ler um livro, escrever, desenhar, é um lugar muito inspirador.





As vistas...


Se forem para estas paragens, não deixem de visitar a Casa da Cerca. E, até é gratuito.

Cacilhas... Sempre gostei de Cacilhas, mas agora está muito mais interessante e, tudo indica que vai melhorar. Logo à saída do cacilheiro, avistamos o farol.


...à entrada da rua Cândido dos Reis, uma réplica do antigo chafariz...


...um pouco mais à frente a igreja, linda...

... ao longo da rua vamos encontrando várias explanadas de cafés, restaurantes, cervejarias, esta é a minha preferida, Chá de Histórias, um salão de chá muito agradável onde somos muito bem recebidos por um jovem casal que, tenta a sua sorte com boas e novas ideias. Tudo aqui é bom, os chás, as tostas (uma grande variedade), saladas e... os queques... hum... o meu preferido é o... sei lá, são todos bons :0)


O passeio na zona ribeirinha de Cacilhas que, nos leva ao Museu Naval...


... e se quisermos andar mais um pouco, ainda não está arranjado, há o risco de derrocada mas, para quem quiser arriscar como nós fizemos...



Ainda avistamos o Cristo Rei... o Tejo... Lisboa...



... e, claro, a sempre linda ponte 25 de Abril.


Também demos um saltinho a Setúbal e a Tróia. Foi uma visita muito rápida, merecem uma visita mais atenta e, com mais tempo. No entanto uma amostra... Bocage, na sua praça...


Arte nas ruas, achei interessante...




...o barco que nos levou até Tróia...


... Tróia vista do barco...


...e Tróia.


Há muito para ver na Margem Sul do Tejo. É só atravessar o Tejo, de automóvel, de comboio ou, como eu mais gosto, de cacilheiro. Experimentem.
:0)

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Cabeçudo

O Faroleiro  No 1º trimeste deste ano resolvi participar no curso de cabeçudos do grupo etnográfico da Areosa. Já tinha alguma curiosidade em saber qual a técnica utilizada para se fazer o tradicional cabeçudo. Quando cheguei a Viana, o ano passado, pensei logo, tenho de ir ver os cabeçudos e gingantones. E assim foi. A nossa chegada foi em Julho e as festas da Sra. D'Agonia são em Agosto. Lá fui eu, feliz e contente. Adorei. Vou, então, apresentar o meu 1º cabeçudo que já andou por festas e exposições este ano.
De frente. Ele está um pouco cansado. Foi muito trabalho...


Um ligeiro perfil.




O curso

O Faroleiro



Outros cabeçudos. Trabalhos dos meus colegas.




Viana do Castelo e sua Lenda.

Ainda vamos estar por Viana mais uns dias. A partida está a ser complicada. Continuando com as despedidas, vou partilhar convosco algumas fotos da cidade e a sua lenda.





Encontrei várias versões da Lenda de Viana do Castelo. Vou partilhar duas.
"
A lenda de Viana
Há muito, muito tempo, na margem direita do rio Lima, erguia-se uma pequena povoação que tinha o nome de Átrio ou Adro. As pessoas que aqui habitavam construíam barcos, fabricavam redes e ensinavam as filhas e as mulheres a consertá-las…             Para além de pescarem no rio também se aventuravam no alto mar, apesar de muitas vezes serem surpreendidos pelo mau tempo, tornando-se difícil vencer a impetuosidade das ondas. De lá traziam carapaus, congros, pescadas, sardinhas, fanecas e muitos outros peixes, com que se alimentavam e vendiam no mercado.             Quando o mar se alterava e não permitia a pesca, tinham o rio. E Aqui pescavam enguias, solhas, trutas, tainhas, lampreias, sáveis e salmões, conforme as épocas.     …

O cabeçudo Pinguço

Se já era fã de cabeçudos, agora ainda sou mais. A experiência de aprender a construir foi fantástica, adoro todo o processo, construção da estrutura, criação de personagens... Não vou parar de fazer cabeçudos  :«) é muito bom. Mas falemos do Pinguço. O Pinguço é daqueles portugueses que anda um pouco baralhado e está inactivo perante as mudanças sociais, económicas e políticas deste país. Ele ainda não compreendeu se está embriagado ou se apanhou sol a mais. Uma coisa é certa está estupefacto e ranhoso, muito ranhoso, também tem uns suores frios. Espero que reaja ( positivamente), que tome uma atitude para melhorar o que está menos bem. Eu (Fernanda) tenho esperança, não é fácil, mas é possível.




De costas, à janela, ainda por pintar.




Novamente de costas, mas já pintado.






De frente, de perfil, é feio que se farta. Torna-se engraçado de tão feio que é.




Para finalizar uma foto de amigos  :«)